ORGANIZACIONES sociales

   

Via Campesina quer Porto de Paranaguá livre de transgênicos


A Via Campesina Brasil, que reúne diversos movimentos sociais do campo brasileiro, defende a manutenção do Porto de Paranaguá para uso exclusivo de exportação de produtos agrícolas não-transgênicos. A proibição de exportação de transgênicos pelo Porto de Paranaguá é de fundamental importância para evitar a contaminação da produção convencional, que representa a ampla maioria da produção agrícola do estado do Paraná. Ela preserva o direito dos agricultores paranaenses e brasileiros de seguirem produzindo produtos convencionais, sem perigo de contaminação pelo transporte. Também garante o direito do consumidor brasileiro e internacional de saber o que está consumindo, como determina a lei. Garante o direito do estado do Paraná administrar os bens públicos a serviço dos interesses da maioria da população brasileira.

A manutenção do porto de Paranaguá como livre de transgênico vai ao encontro das deliberações internacionais da Convenção de Diversidade Biológica realizada nesta semana em Curitiba. Estranhamos que uma juíza federal, de plantão, conceda a liminar à Federação dos Ruralistas Paranaenses, sem julgar o mérito da ação, pretendendo liberar a exportação de soja transgênica por esse porto. Estranhamos que esse mesmo reclamo foi feito pelo governador do Mato Grosso, Blairo Maggi, maior produtor individual mundial de soja e parceiro das multinacionais, em recente documento dirigido ao governo federal.

Essa liminar atende apenas e unicamente os interesses das empresas transnacionais exportadoras, que controlam o comércio internacional de grãos, como a Monsanto, a ADM, a Bungue e a Cargill, que usam as cooperativas e os fazendeiros do agronegócio como meros coletadores de sua mercadoria.

O pedido da Federação dos Ruralistas Paranaenses não representa sequer a vontade da maioria dos grandes agricultores paranaenses, que sabem que serão prejudicados com o predomínio da soja transgênica. Basta consultar
seus colegas do Paraguai e do Rio Grande do Sul.

Esperamos que o Governo do Paraná mantenha sua posição correta e corajosa de impedir o transporte de transgênicos por este porto. Somos solidários ao governo paranaense, e saberemos nos mobilizar para garantir a defesa do porto que é publico, portanto de todo povo brasileiro, para que atenda os interesses do povo.

Curitiba, 30 de março de 2006

Via Campesina Brasil
Movimento dos Pequenos Agricultores - MPA
Movimento das Mulheres Camponesas - MMC
Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra - MST
Movimento dos Atingidos por Barragens - MAB
Comissão Pastoral da Terra - CPT